Colocação de Tubos de Ventilação

A timpanotomia – com ou sem colocação de tubo de ventilação – é um procedimento indicado em crianças com otite média secretora ou otite média aguda recorrente.

O paciente deverá ter em mente alguns fatores sempre que indicada a cirurgia. Poderá compreender melhor essas doenças que afetam algumas crianças em: Doença – Otite média aguda secretora; ou Doença – Otite média aguda recorrente. Saberá que, de rotina, em nosso serviço, não operamos paciente algum sem exames pré-operatórios e uma prévia avaliação anestesiológica.

Os exames pré-operatórios variam em função dos diferentes pacientes. Ao paciente hígido, sem qualquer doença sistêmica e com idade inferior a quarenta anos, solicitamos apenas hemograma e coagulograma. Ao paciente hígido, com idade acima de quarenta anos, solicitamos também um RX de tórax e um eletrocardiograma. Quanto ao paciente com idade superior a quarenta anos, portador de alguma doença sistêmica, solicitamos dele uma avaliação de seu médico clínico com parecer quanto ao procedimento cirúrgico.

Acreditamos que tais cuidados diminuem os riscos cirúrgicos e anestésicos.

A cirurgia é realizada sob anestesia geral, usualmente junto com a cirurgia de adenoides e de amígdalas, ou somente com a de adenoides; e, mais raramente, só a timpanotomia com ou sem colocação do tubo de ventilação.

Com relação à colocação do tubo de ventilação, verifica-se sua necessidade – em geral, apenas no decorrer do ato operatório, quando o cirurgião – ao fazer a timpanotomia – observa o aspecto do líquido no interior do ouvido médio, o estado da mucosa e o aspecto da membrana timpânica. Decide, então, se existe ou não a necessidade de colocar o tubo de ventilação.

Esse procedimento é rápido: leva cerca de cinco a dez minutos por ouvido. O tubo, se colocado, permanece na membrana por um período de tempo aproximado de seis a oito meses. Cai espontaneamente sem que se precise retirá-lo. Enquanto o tubo está no local, os mergulhos são contraindicados para evitar otites devidas à água. Os banhos de piscina e praia, no entanto, não estão contraindicados. Contudo, a criança deverá retornar ao médico se houver qualquer vazamento ou dores de ouvido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.